Fabio Novembre

Desde 1966 respondo a aqueles que me chamam de Fabio Novembre. Desde 1992 respondo a quem também me chamam de " arquiteto " . Meus pulmões estão preenchidos com o cheiro de lugares que eu respirava, e quando eu hiperventilar é só para que eu possa permanecer em apnéia por algum tempo. Como se eu fosse o pólen, deixei-me ir com o vento, convencido de que eu sou capaz de seduzir tudo o que me rodeia. Eu quero respirar até eu sufocar . Eu quero te amar até eu morrer.